...

"Conhecer é tarefa de sujeitos, não de objetos. E é como sujeito e somente enquanto sujeito, que o homem pode realmente conhecer..." Paulo Freire

17 de mai de 2012

Pesquisa na formação docente!



       Dialogo com você Letícia, partindo da ideia já frisada em relação “a pesquisa que não é um fim de si mesma”, assim podemos perceber a pesquisa essencial para a formação docente, pois rompe com as dicotomias (teoria x prática / fazer x pensar/ senso comum x conhecimento científico) que são efetivadas no processo educativo.  A saber, a pesquisa possibilita o docente sair da sua condição estável de práticas mecânicas e reprodutivas e procura problematizar as questões educacionais.
       As realidades sócio-culturais dos discentes possibilitam a partir de suas experiências do senso comum desenvolver um conhecimento sistematizado, sem desfavorecer as concepções de educação que aprendemos em espaços não escolares. Como afirma Marli André (1995) “quanto maior a experiência e quanto mais aguçada sua sensibilidade, mais bem elaborado será o estudo”. Deste modo, a junção da “prática – teoria – prática” como processos inacabados e atreladas a pesquisa como princípio inovador da formação docente, requer possibilidades de conhecer o outro em seus contextos diferenciados e ainda refletir sobre as hegemonias da própria cultura escolar.
          Será possível no período do estágio curricular depositar o que aprendemos no decorrer do curso? Em um viés da pesquisa como possibilidade de crescimento intelectual os conhecimentos que construímos não são concluídos no período de estágio, mas ocorrem novas construções de epistemologias e reflexões nesse momento significante na formação e que é vivenciado nas realidades atuais, os depósitos passam a ser constantes, refletidos e verificados através de outras “leituras de mundo” (FREIRE, 1993).


SOUZA, F. P.

Outras reflexões sobre Estágio...processo de formação!


       A partir da própria reflexão de Selma Garrido que elenca vários relatos de alunas que passaram pelo momento de estágio (aprendizagens), destaco o que refere-se especificamente ao ambiente de sala “o convívio e a interação com a sala de aula, a observação das diferenças no comportamento das crianças, os estímulos que recebem e como são tratadas pelos pais, pela escola e pelos professores (PIMENTA, 2004, p. 106)”. Nessa perspectiva, através do contato com a sala de aula, faz-nos repensar muitas das coisas que já são postas e impostas por padrões sociais e culturais, como exemplo disso, percebemos a dificuldade das crianças ficarem na escola por serem muito dependente de seus pais, o apego com a professora pelo cuidado, atenção e carinho no ato de educar, os desenvolvimentos diversificados por se tratarem de crianças que vivenciam contextos diferenciados na sala de aula e em outros ambientes, o não reconhecimento delas próprias em relação aos padrões sociais legitimados (etnia, classe social, contexto econômico e etc.) e na maioria das vezes as próprias práticas pedagógicas e materiais didáticos (livros) que fogem da realidade das mesmas.
      Além de podermos fazer essas reflexões no momento de estágio (observações e regência) ainda é possível considerar os discentes como sujeitos e não como objetos. Pois os mesmos em muitas das vezes nos possibilita sair do ambiente de sala de aula com inquietações que não conseguimos dar conta no momento das suas curiosidades.
        O discernimento na condução da docência faz nos buscar e criar estratégias para lidar como questões que o nosso próprio curso não nos ensina. E quantas vezes replanejamos as nossas aulas por observar o ritmo dos alunos, comportamentos em relação às disciplinas, conteúdos que precisamos privilegiar em detrimento de outros? Enfim, os replanejamentos são muitos e trata-se de um trabalho árduo, pois parte de contextos, objetivos, metas e procedimentos que é necessário priorizar. Ressalto ainda, que a aprendizagem na sala de aula não é só dos alunos da escola, mas nós iniciantes a docência também aprendemos muito, mas nem um saber é totalmente suficiente.


Souza, F. P.





15 de mai de 2012

Vamos romper os muros?


      Acredito em um estágio curricular efetivado na condução de buscas, curiosidades e significados que podemos estabelecer no "chão da escola". Pois as relações que estabelecemos com os sujeitos não seu neutras e nos possibilita aprendermos a pensar a partir de apoios teóricos essenciais para nossa formação acadêmica. Como afirma Freire (1992, p. 116) “não se faz pesquisa, não se faz docência como não se faz extensão como se fossem práticas neutras”. O que tornar-se a prática pedagógica significativa são justamente as reflexões críticas que realizamos em diversas situações educacionais, nos nossos sucessos e insucessos na própria sala de aula.
        Para quem não possuem ainda experiência na docência, o momento do estágio é essencial para conhecermos práticas diferenciadas e planejamentos oportunos para o nosso desenvolvimento. A troca de experiências e o reconhecimento do outro no processo formativo é de fundamental importância para desmitificarmos muitos dos nossos preconceitos e barreiras que trazemos na nossa caminhada de aprendizes. Afinal, a própria universidade é constituída por vários “muros” que em muitas vezes distancia as suas contribuições (saberes) da nossa Educação Básica. Vamos romper os muros? Essa tentativa pode ser uma estratégia inicial para conciliarmos a teoria e a prática de forma dialógica.

Fabrícia Peixoto.




Reflexão sobre o nosso Estágio Curricular - Pedagogia




            O Estágio Curricular é importante para estabelecermos reflexões sobre o campo educativo (escolas) e relacionar saberes diferenciados com os/as discentes, licenciandas/os, professor (a) de estágio, com as/os regentes e com todos os sujeitos envolvidos no processo de vinculação da teoria e da prática como instâncias contínuas e necessárias para construção de epistemologias. O estágio trata-se de um momento gradativo, com etapas importantes de observações, discussões teóricas, produção de projeto, intervenções didáticas e a confecção de relatórios do que produzimos e efetivamos no desenvolvimento da disciplina de estágio. Na ambiência escolar podemos realizar reflexões críticas do que aprendemos e questionar muitas das coisas impostas na educação e no próprio currículo escolar tão fragmentado e hierarquizado. O estágio para muitas pessoas trata-se do início de uma docência, que busca diálogo com profissionais que já atuam na nossa profissão escolhida. Assim, o estágio vai além da reprodução de conhecimentos, pois o campo educativo requer criatividade e autonomia na construção de saberes.
           Há muitas dificuldades enfrentadas pelos/as estagiários/as na formação inicial, pois há uma desvinculação do que é proposto e vivido nas instituições escolares. É necessária uma busca constante de conhecimentos e informações, pois o campo educativo é dinâmico e requer fundamentações teóricas diferenciadas para realizações de práticas significativas e com qualidade na sua condução e nos possíveis resultados. Importante ressaltar que os espaços físicos das instituições públicas na maioria das vezes dificultam as realizações de práticas diferenciadas na condução de aprendizagens significativas e há uma carência de materiais didáticos. Outra questão que desfavorece o iniciar da docência através dos estágios são as representações sociais negativas que a categoria docente enfrenta como a questão salarial que é muita questionada por tratar-se de uma jornada de trabalho ampla, ocorre à desvalorização da importância da docência na formação dos sujeitos e os próprios questionamentos da equipe escolar em relação a nossa escolha de curso e a nossa área de atuação provoca-nos um receio de atuar nas próprias escolas.
              Contudo, diante de tais reflexões e desafios no processo educativo, mas especificamente nas escolas e a própria universidade, que na maioria das vezes não dialogam é possível perceber muitas aprendizagens no período de estágio, tais como: a possibilidade de realizações de pesquisas e publicações; a contextualização de saberes de experiências; vivenciar a própria práxis; estabelecer reflexões importantes para nossa formação humana, acadêmica e dialogar constantemente com os/as discentes.

Fabrícia Peixoto.

26 de set de 2011

Ambiência Escolar!


A ESCOLA


ESCOLA É... O LUGAR QUE SE FAZ AMIGOS.

NÃO SE TRATA SÓ DE PRÉDIOS, SALAS, QUADROS,

PROGRAMAS, HORÁRIOS, CONCEITOS...

ESCOLA É SOBRETUDO, GENTE

GENTE QUE TRABALHA, QUE ESTUDA

http://bp3.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R5-q7fPF_fI/AAAAAAAADnc/oQA4u6jhC_w/s400/carinhas12.jpgQUE ALEGRA, SE CONHECE, SE ESTIMA.

O DIRETOR É GENTE,

O COORDENADOR É GENTE,

O PROFESSOR É GENTE,

O ALUNO É GENTE,

CADA FUNCIONÁRIO É GENTE.

E A ESCOLA SERÁ CADA VEZ MELHOR

NA MEDIDA EM QUE CADA UM SE COMPORTE

COMO COLEGA, AMIGO, IRMÃO.

NADA DE “ILHA CERCADA DE GENTE POR TODOS OS LADOS”

NADA DE CONVIVER COM AS PESSOAS E DEPOIS,

DESCOBRIR QUE NÃO TEM AMIZADE A NINGUÉM.

NADA DE SER COMO TIJOLO QUE FORMA A PAREDE, INDIFERENTE, FRIO, SÓ.

IMPORTANTE NA ESCOLA NÃO É SÓ ESTUDAR, NÃO É SÓ TRABALHAR,

É TAMBÉM CRIAR LAÇOS DE AMIZADE, É CRIAR AMBIENTE DE CAMARADAGEM,

É CONVIVER, É SE “AMARRAR NELA”!

ORA É LÓGICO...

NUMA ESCOLA ASSIM VAI SER FÁCIL! ESTUDAR, TRABALHAR, CRESCER,

FAZER AMIGOS, EDUCAR-SE, SER FELIZ.

É POR AQUI QUE PODEMOS COMEÇAR A MELHORAR O MUNDO.


PAULO FREIRE




Educação!


25 de set de 2011

Docência: mediação


O grande mérito da docência é estabelecer a dinâmica da mediação no contexto de sala de aula. Pois, uma prática pedagógica coerente com a educação, promove sujeitos autônomos e capazes de intervir na esfera social.

SOUZA. F. P.